TEMER AFINS; Afinal, o que é o nióbio e para que ele serve?



Recentemente vem se tornado cada vez mais comum as discussões e pautas sobre o Nióbio, a sua utilidade e claro a sua comercialização.
Esse assunto aqui no Brasil por exemplo, já deveria estar sendo discutido a muito tempo, mas muitas, mas muitas pessoas mesmo não estão entendendo o porquê desse tema ter vindo mais uma vez à tona e o que ele significa para o nosso país.
Então se você aí de casa não sabe muito bem o porquê de estarem falando tanto sobre esse tal nióbio, você está no vídeo certo viu! Descubra agora mesmo: “Afinal, o que é o nióbio? E para que ele serve?”
Se você é curioso clique aqui e se aventure em busca do desconhecido: http://bit.ly/2oyQj0f
LEIA MAIS:
http://bit.ly/2rtkRzf 

NIÓBIO - A riqueza escondida dos Brasileiros.



O que é o nióbio ? O nióbio é um metal branco, brilhante, de baixa dureza, extraído principalmente do mineral columbita. Nos estados unidos é chamado mais de colúmbio. É muito resistente à corrosão e a altas temperaturas, e basta adicionar alguns gramas de nióbio a uma tonelada de aço para deixá-lo mais leve e com maior resistência a fraturas e torções. O nióbio é atualmente empregado em automóveis; turbinas de avião; gasodutos; tomógrafos de ressonância magnética; nas indústrias aeroespacial, bélica e nuclear; além de outras inúmeras aplicações como lentes óticas, lâmpadas de alta intensidade, bens eletrônicos e até piercings. O metal existe em diversos países, mas 98% das reservas conhecidas no mundo estão no brasil e nosso país é responsável atualmente por mais de 90% do volume comercializado no planeta, seguido por Canadá e Austrália. Apesar do seu uso crescente e das inúmeras possibilidades de aplicação, o nióbio não tem a importância e o valor que possuem, por exemplo, o ouro e o petróleo. Mas é natural que o virtual monopólio brasileiro desperte cobiça e preocupação das maiores potências econômicas. Quando o site wikileaks divulgou documento secreto do departamento de estado americano no qual as minas brasileiras de nióbio eram incluídas na lista de locais cujos recursos e infraestrutura são considerados estratégicos e imprescindíveis aos EUA. Depois disso, uma fatia da Cbmm, maior produtora mundial de nióbio, foi vendida para companhias asiáticas, numa transação bilionária. E em 2011, um grupo de empresas chinesas, japonesas e sul-coreanas comprou 30% do capital da mineradora com sede em araxá (mg) por us$ 4 bilhões. O brasil detém praticamente todo o nióbio do planeta, mas esse potencial é desaproveitado, o que se esperaria é que o brasil tivesse uma estratégia muito bem definida por se tratar de uma matéria-prima fundamental para as indústrias de tecnologia de ponta e que pode ser vista como uma fortaleza para a produção de energias limpas e para o próprio desenvolvimento industrial do País. Com a produção restrita a dois grupos econômicos, é "evidente" que o interesse estrangeiro é exportar o nióbio do brasil "ao menor preço possível". O brasil poderia ganhar até 50 vezes mais o que recebe atualmente com as exportações de ferro-nióbio, caso ditasse o preço do produto no mercado mundial e aumentasse o consumo interno do mineral. Nosso país deveria usar o nióbio como um trunfo para atrair mais investimentos e transferência de tecnologia. "se o brasil parasse de produzir ou vender nióbio hoje, isso geraria certamente um caos", pois existe uma enorme pressão de fora para obter um produto do qual eles precisam a um preço acessível. Apesar de deter quase um monopólio do nióbio, o governo brasileiro nunca definiu uma política específica para o metal ou um programa voltado para o desenvolvimento de uma cadeia industrial que vise agregar valor a este insumo. O novo marco regulatório da mineração, encaminhado ao congresso nacional na forma de projeto de lei em junho de 2013, não prevê nada específico sobre o nióbio. Estaria então o brasil tirando pouco proveito de sua posição estratégica em relação ao nióbio? O governo federal não concorda com as críticas, julgando satisfatórios os investimentos feitos no desenvolvimento de tecnologia de produção e na estrutura do mercado. O ministério de minas e energia confirma que não tem uma política de estatização de jazidas de nióbio, assim como não a tem para qualquer outro bem mineral. Desculpe mas... O nióbio vale tanto se não mais do que o ouro, nós somos os maiores detentores do metal e um pais de terceiro mundo. Por que essas riquezas não estão sendo devidamente exploradas? Por que existe tão pouca divulgação sobre este assunto? Quem será que esta ganhando com isso? Inscreva-se no canal, Curta e comente nosso vídeo. NOS ACOMPANHEM EM QUALQUER UMA DAS NOSSAS REDES SOCIAIS PARA RECEBER AS NOTICIAS EM PRIMEIRA MÃO.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog